sábado, setembro 25, 2004

não me acordes

eu queria dormir acompanhada
daquele amor mais terno e mais sereno
daquele amor sem pingo do veneno
que de ciúme nos traz a vida envenenada

eu queria dormir profundamente
abraçada contigo docemente
como naquela primeira madrugada

oh meu amor, onde andas tu que não te sei
adormecido talvez num outro ombro
tão longe que me deixas tão sozinha
amor, vem ter comigo, a vida é breve
(eu não me esqueço, amor que não se escreve)

e se sonhar contigo for a única maneira
de te trazer para ao pé de mim a noite inteira
então dorme, querido
e não me acordes

porque hoje a noite é minha
não me acordes

3 comentários:

Exit_to_the_Moon disse...

Das coisas mais lindas que já li.

lena disse...

:)

Madalena Pestana disse...

Nos tempos em que eu dizia poemas teria sido um prazer dizer este, Laura.

:)