segunda-feira, janeiro 16, 2006

História da princesa moura e do dragão azul

Esta é a história
de uma princesa moura das terras quentes do sul
e de um dragão azul - que era afinal um príncipe
das terras altas do norte

Andava a princesa desaustinada, numa noite de temporal
e absolut vodka, num reino que ficava equidistante.
(Ela não sabia do que andava à procura.)
Entrou na sua carruagem puxada por noventa cavalos e tinha apenas percorrido alguns metros quando se lhe atravessou no caminho um jovem dragão azul com figura de príncipe, molhado como um pinto por causa da chuva que caía muito forte. Ela parou, baixou o vidro da carruagem, e ele quis saber que música vinha ela a ouvir e para onde ia ela àquela hora da madrugada.

Logo aí a moura percebeu que era um dragão azul das terras altas do norte que lhe falava a sorrir, e foi sem ela se dar conta que ele a raptou, convidando-a para sua casa...
Ainda se perderam, porque o belo dragão ainda não sabia de cor o caminho de casa.
Mas a princesa deixou-se levar até ao castelo, feliz por acreditar que o dragão não lhe iria fazer mal - quem sabe seria um príncipe? (Parecia mesmo um príncipe que ela já tinha visto num filme!...)

Encontraram-se numa noite de temporal
entre o norte e o sul
e foi ela que o guiou
sem saber que estava a ser raptada

Quando chegaram ao castelo o príncipe abriu a porta devagar e entraram os dois pé ante pé, pois todos se encontravam já a dormir.
Os aposentos continuavam mergulhados na penumbra da madrugada e a princesa moura ficou a saber que no castelo não havia luz nem água, e por isso foi preciso acender uma vela.
Conversaram de música e cinema durante um bocadinho, mas o dragão dentro do príncipe começou a beijar a moura, que estava cheia de medo.
(Não é todos os dias que uma moura é raptada por um dragão azul das terras altas do norte!...)
E cheia de medo ela se foi entregando devagarinho até deixar de ser princesa, para se transformar numa sereia nos braços do belo príncipe...
Abraçaram-se muito, beijaram-se muito, mas ela temia que o dragão fosse apenas mais um sapo, e lá se ia protegendo como podia, dando muito mas não tudo.
Queria sossegá-lo, ao príncipe, mas o dragão não queria sossegar...

E foi preciso muito carinho e ternura e paciência para adormecer o príncipe e o dragão dentro dele...

Depois a sereia procurou peça a peça as suas roupas espalhadas pelo chão e foi-se vestindo devagar e sem barulho, para não o acordar.
Ela apagou a vela, tapou o príncipe adormecido e beijou-o docemente na face. Ele sorriu, sem abrir os olhos.
E a moura disse "Até logo".
Encantada.


Coimbra, 1998

13 comentários:

Rodrigues disse...

Já tinha lido, há muito tempo... :)

Muito bonito.

Angelus disse...

'porque mesmo sem tempo não custa dizer olá'

***

Anónimo disse...

Que bonito. Quase podia ser a minha história... Beijo grande :) Carla.

lena disse...

apeteceu-me ir buscar este lá atrás

;)

Anónimo disse...

e eu q gosto tanto de histórias .. e esta está deliciosa :)

olá :)*

Desculpa não aparecer mais vezes .. mas estou tão gelada q nem sequer consigo pensar .. e agora de há uns dias para cá ... uma tendinite .. está a dar cabo dos nervos e do meubraço, mão e afins .. pelo q isto vai letra por letra :D.. há q manter o espirito .. jinhos ***

Lótus

lena disse...

trenho fotos novas dos "amigos do rosinha" ;D*****

zé das loas disse...

Encantado fiquei eu também e não sou nenhum dragão...

Falando sério: uma história muito talentosa. Deslumbrou-me o "artificio" literário do subtil jogo de tempos em que o "drama" se desenvolve. Beijos

Laura Lara disse...

Gostei da história. Tive pena quando chegou ao fim. Queria mais.
Beijinhos

Tóilina disse...

Parabéns Laurinha!
Nunca por aqui tinha passeado e confesso que está a ser uma agradável e simpática surpresa...
O meu imaginário de infância levou um abanão.
Obrigada!

lena disse...

esta história pode ler-se noutra versão aqui


obrigada pelas visitas, lara, zé e toilina
:)***

lena disse...

zé, fiquei a pensar nessa do artifício literário do subtil jogo de tempos...
:D

menina graça disse...

Agora vim eu ler...a linda história da moura e do dragão azul do norte. Imaginei a moura de vestido vermelho... vá-se lá saber porquê! :)
Amanhã vamos fazer um piquenique na Paisagem do Gato... parece que a água quente está com saudades...:)

lena disse...

ainda bem, também tenho saudades
:)