quarta-feira, abril 13, 2005

o corpo da terra

nos momentos em que o meu corpo é
o corpo da terra
eu queria fazer amor contigo
num fluir universal de raízes

12 comentários:

lena disse...

e não se apoquentem, que eu de vez em quando acendo as fogueiras de beltane!


;D

paper life disse...

muito bonito, laura!

:)

Bj.

Edu Beckandroll disse...

Laura... Apaixonante esse teu espaço. Adoro gatos também e boas leituras como as que tu proporcionas em teu blog. Parabéns.

Bastet disse...

Pois é estamos na altura da comemoração da vida e das fogueiras de Beltane... bem que me queria parecer que, tal qual eu disse no meu post de hoje, havia um motivo forte para eu em vez de almoçar ter sido almoçada.

Carla disse...

:)) Sempre a ternura, a ternura... :)

ruiluis disse...

fantastico ! beijo...

AleKsandro disse...

Olá, sou novo nestas lides. Gostei das suas palavras. Muito.

Ana disse...

gaija, tens teste à tua espera no blogantes. beijos ;-)

Madame Bela disse...

Laura, ler você me traz uma paz.
Em meio a tantas loucuras que é a minha vida, preciso de um canto sossegado como o seu.
Beijos

lena disse...

meus queridos... :)

::mari:: disse...

simplesmente espectacular :)

o quanto se pode dizer em tão poucas palavras ;)

lena disse...

aiai, suspiro, não é?
:)