sexta-feira, fevereiro 24, 2006

o fim do carnaval luso

por Francisco José Viegas
;D

"Fico sempre espantado com as notícias das televisões, que falam dos «foliões» que aguardam a passagem dos desfiles: e as imagens dão conta de umas famílias apinhadas nos passeios, com os miúdos encavalitados vendo passar o cortejo de horrores. Isto, claro, sem falar da música permanente de «mamãe eu quero, eu quero mamar» que todas as discotecas do Algarve passam aos berros para que comboios de «foliões», organizados com a espontaneidade de uma missa em latim, se meneiem e transpirem adequadamente."

quarta-feira, fevereiro 22, 2006

BENFICA 1 LIVERPOOL 0


Sou do Benfica
E isso me envaidece
Tenho a genica
Que a qualquer engrandece
Sou de um clube lutador
Que na luta com fervor
Nunca encontrou rival
Neste nosso Portugal.

Ser Benfiquista
É ter na alma a chama imensa
Que nos conquista
E leva à palma a luz intensa
Do sol que lá no céu
Risonho vem beijar
Com orgulho muito seu
As camisolas berrantes
Que nos campos a vibrar
São papoilas saltitantes.

segunda-feira, fevereiro 20, 2006

acerca da esterilização dos gatos

os gatos não são seres humanos, só vivem por perto...

irás assumir responsabilidade pelas gatas que o teu gato engravidar e pelos gatinhos que nascerem dessas aventuras?
vais tomar conta deles, alimentá-los, dar-lhes abrigo?
achas mesmo que há condições para que nasçam mais gatos por aí?

é de um terrível egoísmo achar "crueldade" esterilizar os bichos e não ver problema nenhum em continuar a espalhar por aí ninhadas ao Deus dará

é por muito amar os gatos que não posso ficar calada

terça-feira, fevereiro 14, 2006

pirilampo

foi a teu lado que me deitei pela
primeira vez num prado, lembras-te?
foi a teu lado que olhei por várias
vezes o céu enorme e estrelado e me
senti acompanhado.
foi a teu lado que chorei e ri, e quando
me perdi me mandaste tomar um duche
de água fria (por causa da Natureza...)
foi a teu lado que parti vidros e
gritei e depois adormeci sem saber como, encantado.
foi a teu lado, ao teu lado, em teu lado
que cresci e aprendi também a ser assim,
- pirilampo -
aquele que pelo escuro se vai iluminando.

P.

segunda-feira, fevereiro 13, 2006

Centenário do nascimento de Agostinho da Silva





Mestre de filosofia
com mais saber e engenho
meu gato mia.

A.S.

domingo, fevereiro 12, 2006

um poema de Agostinho

Atingira um silêncio tão de espanto
que era todo universo à sua volta
um seduzido canto


- Uns Poemas de Agostinho.

sexta-feira, fevereiro 10, 2006

compreender e unir para que se lancem as estradas da paz

“Reservemos para nós a tarefa de compreender e unir; busquemos em cada homem e em cada povo e em cada crença não o que nela existe de adverso, para que se levantem as barreiras, mas o que existe de comum e de abordável, para que se lancem as estradas da paz; empreguemos toda a nossa energia em estabelecer um mútuo entendimento; ponhamos de lado todo o instinto de particularismo e de luta, alarguemos a todos a nossa simpatia.
Reflictamos em que são diferentes os caminhos que toma cada um para seguir em busca da verdade, em que muitas vezes só um antagonismo de nomes esconde um acordo real. […]
Não os queremos trazer ao nosso grémio nem ingressar no deles; apenas desejamos que da melhor compreensão entre uns e outros, do conhecimento das essências, se erga a morada de um Pai que não distingue entre os eleitos e a todos por igual protege e incita; cada um ficará em sua lei; só pretendemos que não tome os de leis diferentes por implacáveis inimigos ou por almas perversas e perdidas; são homens como nós e vão-se dirigindo ao mesmo fim; desde já os vejamos como futuros companheiros”


- Considerações [1944].

quinta-feira, fevereiro 09, 2006

defender o seu tesouro de sonho

“Nenhum adulto foi bom em tempo algum, com excepção dos santos, os quais, qualquer que fosse a religião que os santificou, concordaram todos com as palavras evangélicas em que se aponta a criança como paradigma de homem e fizeram todo o possível pelo regresso à infância [...].
E é à criança que temos de considerar o bom selvagem, estragando-a, deformando-a, inutilizando-a o menos que nos seja possível, defendendo o seu tesouro de sonho, jogo e criação, a sua espontaneidade e a sua malícia sem maldade, o seu entendimento sem análise e o seu amar do mundo sem a preocupação das sínteses; e foi afinal desta criança feita Deus, ou Deus se revelando, para um novo Evangelho, que nos falou Alberto Caeiro [...]”

– Educação de Portugal [1970].

Centenário do nascimento de Agostinho da Silva


O que deve imperar no mundo é o comportamento inocente, espontâneo, genial na maior parte das vezes, das crianças.

Não é por acaso que o Eça disse que as crianças portuguesas sempre lhe pareceram geniais e que os portugueses só ficavam imbecis na maioridade.


Eu advogo que seria muito interessante para os portugueses acostumarem-se a viver com o menos possível, porque quando a pessoa quer mais isto e aquilo e aqueloutro porque o vizinho tem, começa a ser um escravo. Eu acho que o São Francisco se fez pobre para ser livre. Eu acho que os votos religiosos não são votos de prisão, são votos de liberdade. A pobreza, não possuir gente, que é o segundo voto, e o terceiro voto, que é ser obediente, é não se possuir a si próprio. Porque aquilo que nós possuímos nos possui.