segunda-feira, novembro 08, 2004

e eu não sabia

possível como vento foste tu
e eu não sabia

que são fogo teus inventos
tua ausência
teus momentos controlados

3 comentários:

chOURIÇO disse...

Poesia ainda mais intimista, que desconstrói completamente o outro. Há aqui uma nítida influência de Nietzshe com a colocação em causa dos valores sociais. A leveza, a pureza e a força misturadas num remoinho de sentimentos como que a gritar por Zaratrusta. A filosofia, o egos e o sophos a contradição entre o partir e o ficar, entre o quebrar amarrar e o almejado regresso. Passa também por Ulisses e pelas pelejas Espartanas. Mais do que poesia e ainda que não obedeça à forma, é uma Ode.

chOURIÇO disse...

Porra, tanta gralha...

lena disse...

aqui é mais melros
:D