terça-feira, novembro 30, 2004

sábado, novembro 27, 2004

o corpo da terra

nos momentos em que o meu corpo é
o corpo da terra
eu queria fazer amor contigo
num fluir universal de raízes

quinta-feira, novembro 18, 2004

à flor da água

páro um instante
enquanto a lua sobe
e a noite cresce lenta e segura

páro um instante
e invento o teu perfil
à flor da água nua e murmurante


quarta-feira, novembro 17, 2004

menino perdido

por onde andas tu, menino perdido
por onde andas tu e a tua sombra
a que horas me cruzei contigo na vida?
a que horas te encontras aonde?
demoras tanto tempo a vir
menino pedaço de abismo...
quem terá a sorte do teu calor
quem terá a sorte da tua boca
eu sei lá o que te importa!

sabes que te quero, eu sei que sabes
e mesmo que não venhas nunca mais
não fecho a porta

segunda-feira, novembro 15, 2004

até sempre

um dia
o azul de espuma
na pele

rebuscar de origens
até ti
até ao fogo
até sempre

quarta-feira, novembro 10, 2004

da noite

murmuras segredos da noite nos olhos
e no toque te sorrio
à procura, sempre
de um banco de areia morna no teu corpo
para deitar o meu cansaço
a pouco e pouco

murmuras segredos da noite nos olhos
e no toque te sorrio
à procura, sempre
do outro lado de mim

além de nós só os pássaros
e o mar                  ao longe
atormentado

segunda-feira, novembro 08, 2004

e eu não sabia

possível como vento foste tu
e eu não sabia

que são fogo teus inventos
tua ausência
teus momentos controlados

sexta-feira, novembro 05, 2004

viajar viajar viajar


De vez em quando, assim de repente, tenho saudades,
de ver coisas pelos teus olhos. A estrada, um quarto
de hotel numa vila de província, estrelas numa noite
muito escura. Penso no teu nariz, do qual gosto muito
e não sei onde estará. Em grande parte o nosso des-
tino não somos nós que o fazemos; em grande parte.
Apesar da angústia e da ansiedade, gostava muito de
viajar contigo. É bom viajar contigo. É preciso continuar
a aprender a viajar viajar viajar viajar viajar.
o teu pedro

quarta-feira, novembro 03, 2004

Matisse revisitado



In his final years, Matisse focused on a technique using paper cut-outs. The artist died on November 3, 1954, in Nice.

terça-feira, novembro 02, 2004

adormecer

agora
só me resta ir ter contigo
para adormecer em ti
e assim esquecer
este meu sono das horas